quarta-feira, 30 de setembro de 2015

Ferronato acredita em restauração da Casa Elétrica




A pedido da Associação dos Amigos da Casa Elétrica, por proposição do vereador Airto Ferronato (PSB), está agendada uma reunião da Comissão de Economia, Finanças e Orçamento da Câmara Municipal, em 6 de outubro, às 10h, sala 301 das comissões, para discutir a recuperação da Casa Elétrica, que foi um dos primeiros estúdios de gravação do mundo no começo do século XX, e onde registra a historiografia – o primeiro local onde um tango foi gravado na América do Sul. Ferronato acredita que pelo alcance histórico-cultural e com a mobilização dos amigos da Casa é possível reverter o quadro de deterioração e restaurá-lo.


Segundo o vereador, a proposta é que a Prefeitura compre o imóvel situado no Bairro Glória, trocando por índices de construção com os proprietários da área, como já é a ideia dos líderes do movimento, e posteriormente, por meio da Lei Rouanet, promova a reforma e revitalização da área. Na opinião de Ferronato, o ideal é que a Casa Elétrica seja transformada em Centro Cultural, mas que em seu interior seja montado um estúdio de gravação com gestão pública, como forma de democratizar o acesso de músicos populares e de periferia à gravação de seus trabalhos. “Com o advento das tecnologias de gravação digital, a montagem de um estúdio de som é barata e pode ser plenamente concretizada”, aposta o vereador.


Texto: Fernando Cibelli de Castro RTB 6881 Foto: Panda Filmes


quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Vereadores criam frente parlamentar contra privatizações

Diante da alardeada crise nas finanças do Rio Grande do Sul, o governador José Ivo Sartori parcelou o salário dos servidores estaduais, sugeriu o aumento de impostos e propôs a extinção de fundações públicas, entre outras medidas. Temerosos sobre quais podem ser os próximos alvos do Executivo gaúcho na busca do equilíbrio das contas, vereadores e sindicalistas lançaram, na tarde desta terça-feira (22/9), no Auditório Ana Terra da Câmara Municipal de Porto Alegre, a Frente Parlamentar pela renovação da concessão da CEEE e pelo fortalecimento da CEEE, da Corsan, do Banrisul, da Sulgás e da CRM.

Os ativistas enfatizaram que, em sua visão, vender patrimônio público é prejudicar sobretudo os pobres, que mais necessitam do Estado. Proponente da iniciativa, o vereador Airto Ferronato (PSB) contou que a venda do Estado é um tema recorrente ao longo das décadas. "Privatizar é jogar fora o patrimônio público. Não pagaríamos a nossa dívida com a União e ficaríamos sem patrimônio", resumiu. Ferronato disse temer que o setor de cartões do Banrisul, bastante lucrativo, seja entregue à iniciativa privada, o que, segundo ele, pode ocorrer em breve se a Assembleia Legislativa votar favoravelmente. Em função de brechas na lei, a transação não teria que passar pelo aval de um plebiscito estadual, como costuma acontecer com projetos de mesmo teor. "Eles só querem administrar os filés, as partes lucrativas das empresas", indignou-se. Os representantes do Sindicato dos trabalhadores da Empresa Estadual de Silos e Armazéns (CESA) também aderiram ao movimento.(IMPRENSA CMPA)

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Frente Parlamentar contra privatizações tem 25 assinaturas


Até o momento, 25 dos 36 vereadores de Porto Alegre assinaram o requerimento de criação da Frente Parlamentar em defesa da renovação da concessão da Companhia Estadual de Energia Elétrica - CEEE e pelo fortalecimento e manutenção da CEEE, CORSAN, Banrisul, Sulgás e CRM públicos. Proposta pelo vereador Airto Ferronato (PSB), a Frente Parlamentar será instalada nesta terça-feira, 22 de setembro, às 15h, no Plenário Ana Terra do Legislativo Municipal.


O parlamentar propôs a Frente preocupado com as constantes notícias divulgadas pela imprensa dando conta de que o governo do RS poderia reeditar o processo de privatização de ativos públicos. Segundo o vereador, os eletricitários e sindicalistas ligados às demais estatais têm buscado espaço na tentativa de estabelecer um debate onde se estabeleça a verdade para a sociedade.

‘‘Passados 18 anos da venda de parte da CEEE para a iniciativa privada, a tese de que haveria ampliação do parque gerador, melhoria na qualidade da energia entregue ao consumidor, redução da conta de luz, manutenção das vagas de emprego dos gaúchos, entre tantas outras promessas, não aconteceu. O que se vê é exatamente o oposto: os problemas do setor são estruturais, a tarifa é regulada em nível nacional, os postos de trabalho foram suprimidos e transferidos para outros estados", assinala o vereador. Para Ferronato, as privatizações ocorridas no RS não resolveram nosso problema econômico. Ao contrário, segundo o próprio Governo, a dívida só aumentou e o recurso financeiro alcançado com a venda das empresas desapareceu. 

Serviço:
O que: Instalação da Frente Parlamentar em defesa da renovação da concessão da Companhia Estadual de Energia Elétrica - CEEE e pelo fortalecimento e manutenção da CEEE, CORSAN, Banrisul, Sulgás e CRM públicos
Quando: 22/09/2015
Horas: 15h
Onde: Plenário Ana Terra da Câmara Municipal de Porto Alegre

Texto: Fernando Cibelli de Castro (RTB 6881)
Foto: Josiele Silva (CMPA)